São Paulo (estado)

Origem: Malucopédia, a enciclopédia insana
(Redireccionado de Estado de São Paulo)
Wikisplode.gif
Para aqueles sem senso de humor, os espertalhões da Wikipédia têm um artigo (pouco confiável) sobre: São Paulo (estado).

São Paulo, o estado, é um Estado da América do Sul maior que o Rio de Janeiro ou Paraná, e menor que Minas Gerais ou o Mato Grosso do Sul.

Definição[editar]

São Paulo tem as melhores e mais sinalizadas rodovias do Brasil

O Estado de São Paulo é o maior produtor brasileiro de Cana-de-Açúcar, consequentemente é o maior produtor brasileiro de Etanol e Pinga Barata como a 51 e o Velho Barreiro.

O estado de São Paulo é também um grande produtor de pensadores intelectuais que são vendidos a outras partes do país para suprir a escasses de cérebro das outras regiões.

São Paulo é uma grande planície cortada ao meio pelo rio Tietê. Todo o leste do estado é banhado pelo Oceano Atlântico e é seguido de uma serra conhecida como Serra do Mar que vai desde a Serra da Mantiqueira até o Vale do Ribeira.

O miolo do estado é uma plantação de cana gigante, quando não é cana é laranja. Na divisa com o Rio de Janeiro é cortado pelo Rio Parnaíba e na Divisa com o Paraná ao Oeste pelo Rio Paranapanema e ao leste pelo Rio Ribeira.

Na Divisa com o Mato Grsso do Sul é cortado pelo Rio Grande que ao se juntar com o Tietê vira o Rio Paraná que vai girar as turbinas da Usina de Itaipú e gerar energia para o Paraguai inteiro.

Capital[editar]

Um típico dia comum e ensolarado em São Paulo

São Paulo é a capital brasileira da Correria, do Trânsito, da Muamba, da Garoa, do CO2, das Dorgas, do Rap, do Chops, do Pastél, da Loucura e da Insanidade.

Se você for em mais de três lugares da cidade, 80% do seu dia vai ser no trânsito.

Em São Paulo pode-se ir andar de metrô, ir no museu do Ipriranga, no Playcenter, no Ibirapuera, na 25 de Março, nas Águas Espraiadas pra pegar uma farinha, no Mercado Municipal, no Butantã, no pico do Jaraguá e em mais um monte de outras quebras como a Cocaínolândia e Maconholândia... Mas geralmente você só vê São Paulo mesmo quando passa pela marginal e vê o Praycenter aí sempre tem um que fala: "Ó o Praicenter!" "Olha a Montanha Russa volta de ré! e antes disso o outro já tinha perguntado "Quem Peidou", aí o idiota explicou: "...não é peido, é o Rio Tietê!" Olha o Avião!

Zona Oeste[editar]

Conhecida suas bichas enrustidas que não levantam nenhuma suspeita de suas atividades comerciais de natureza sexual, embora todo mundo saiba o que eles fazem.

Uma rodovia limpa e organizada de São Paulo

A Zona Oeste de São Paulo foi colonizada em 1842 pelos nativos da Enrustidônia, uma das 24 repúblicas da Boiolinávia.

Os enrustidônios chegaram à cidade com uma mão na frente e outra atrás porém como eram bem-parecidos podiam ter qualquer trabalho que quisessem, porém a prostituição é uma tradição na Enrustidônia, e os enrustidônios preferiram manter a tradição e invadiram discretamente as esquinas da Zona Oeste de São Paulo.

Zona Leste[editar]

Conhecida por ter em cada esquina uma bicha afeminada vendendo o corpo.

A Zona Leste de São Paulo foi colonizada em 1824 pelos habitantes do Elamachostão, uma das 24 repúblicas da Boiolinávia (qualquer semelhança com Elamacho do inglês Shemale NÃO é mera coincidencia).

Os habitantes do Elamachostão são conhecidos pela extrema dificuldade de se distinguir seus gêneros, visto que todos parecem fêmeas, falam como fêmeas e andam como fêmeas, sendo possível possível identificar o gênero apenas se o habitante ficar pelado.

Devido a essa peculiaridade os habitantes do Elamachostão não conseguiram empregos normais e foram forçados a se prostituir.

Zona Norte[editar]

Exatamente o contrário da Zona Sul de São Paulo: em suas esquinas fazem ponto as bichas mais magras de São Paulo. Puro osso mesmo.

A Zona Norte de São Paulo foi colonizada pelos miseráveis, famintos e inanes habitantes da Baitolânia, uma das 24 repúblicas da Boiolinávia.

Ao contrário dos gaypônios, os baitolânios viviam numa fome de dar dó, poi só tinham para comer algumas folhas secas de muxiba que cresciam no alto das montanhas da Boiolinávia. E era tão rara que só comiam a cada quarenta dias. E nem eram cristãos.

Os baitolânios souberam de uma terra que manava leite e mel e onde poderiam se fartar de comida, bom ao sul da terra brasilis.

Esperançosos, eles se mudaram para São paulo e descobriram que era tudo mentira e que a única fartura que tinha lá era de fumaça de gás carbônico. Sem muita opção os baitolânios decidiram vender o corpo em troca de comida e assim surgiu a Zona Norte.

Zona Sul[editar]

Mior ponto de encontro de bichas gordas da cidade de São Paulo.

A Zona Sul de São Paulo foi originalmente colonizada pelos habitantes da Gaypônia, uma das 24 repúblicas da Boiolinávia. Os gaypônios são conhecidos por serem brancos e extremamente obesos, e sua obesidade só tendia a aumentar com o frio da Gaypônia.

Em coletividade os habitanes decidiram migrar para a Zona, onde acreditavam que emagreceriam devido ao calor de São Paulo, mas o máximo que conseguiram foi estabilizar sua obesidade.

Sem nenhum talento especial, os gaypônios não tiveram escolha a não ser vender seus corpos imensos na Zona, onde estão até hoje.

O Tietê[editar]

É o rio mais poluído do mundo, e a praia dos paulistanos. O rio nasce na cidade de São Paulo, sendo oriundo das descargas do esgoto de dez milhões de paulistanos.

Por isso, sempre que tem algum acontecimento importante em São Paulo, no dia seguinte, em que bate a caganeira, o rio inunda, causando milhares de mortes. A flora do rio é formada pelos coliformes fecais.

A fauna é formada pelos paulistanos. O rio é a praia dos paulistanos, que, sem ter a opção de tomar banho de sol, tomam banho de merda e nada demais

Região de Sorocaba[editar]

Mairinque[editar]

Mairinque é um vilareijo de produtores de óleo Lisa, Fertilizantes e também uma geladeira gigante. É vizinha de São Roque, a cidade da Alcachofra. Vizinha também de Alumínio (São Paulo) uma metrópole produtora de Soda Cáustica. Vizinha também de Ibiúna, a maior roça do Estado de São Paulo. Vizinha também de Canguera, a terra do vinho.

Está em Mairinque o principal trevo Ferroviário do Estado de São Paulo. Todos os trens que vão para o porto de Santos tem que passar por Mairinque, e oque é mais relevante na cidade sem sombra de Dúvidas e o Fluxo constante e Interminável de Locomotivas puchando fileiras imensas de Vagões vermelhos e também vagões Verdes.

Mairinque não era mais que um pântano quando foi colonizada por imigrantes da Queimarroscóvia do Leste, uma das 24 repúblicas da Boiolinávia, capitaneados por um pirata chamado Mairinki, que em bom boiolinavo quer dizer "gosto de dar o rabo gostoso". Os imigrantes queimarroscóvios puseram o pântano abaixo e plantaram pasto para a criação de gado e plantação de maconha. O ex-pântano foi reconhecido como município após a Inconfidência Mineira, que não tem absolutamente nada a ver com São Paulo.

São Roque[editar]

São Roque é uma cidade entre o Interior e o não Interior. É vizinha de Mairinque, um vilareijo de produtores de óleo Lisa, Fertilizantes e também uma geladeira gigante. Vizinha também de Alumínio uma metrópole produtora de Soda Cáustica. Vizinha também de Vargem Grande a cidade que é fatiada ao meio. Vizinha também de Ibiúna, a maior roça do Estado de São Paulo. Vizinha também de Araçariguama, a cidade de Pirapora do bom Jesuis. Vizinha também de Mailasque, o portal da Zona Oeste. Vizinha também de Itapevi, a Colômbia de São Paulo. Vizinha também de Canguera, a terra do vinho.

Se for de Dia você procura um Fumo Cannabis Sativa, vai numa quebra, se não tiver vai em outra, se o fumo tiver rúin vai em outra, se só tiver dura você vai em outra, se achou o fumo e tiver uma cadela canídea suba no topo da Pedreira do Marmelelo ou no Complexo do Morro do Saboó.

Se for de noite você vai em algum buteco e toma uma cerveja ou então compre um garrafão de 5 litros de vinho que uma coisa que não falta em São Roque é vinho: Quinta do Jubair, Góes, Palmeiras, Palmares, Quinta dos Palmares, XV de Novembro e mais uma infinidade de vinículas menores.

Ibiúna[editar]

Ibiúna é a maior roça do Estado de São Paulo. É Vizinha de Piedade, a terra do Santo Daime. É vizinha também de São Roque a cidade entre o Interior e o não Interior e também a cidade da Alcachofra. É vizinha também de Mairinque, um vilareijo de produtor de óleo Lisa, Fertilizantes e também uma geladeira gigante. Vizinha também de Alumínio uma metrópole produtora de Soda Cáustica e a maior cidade particular do Brasil, patrimônio de António Ermírio de Moraes. Vizinha também de Vargem Grande a cidade que é fatiada ao meio. Vizinha também de Canguera, a terra do vinho.

É o fato de Ibiúna ser a maior cidade em território do Estado de São Paulo. Para se atravessar a cidade de Norte a sul ou de leste a oeste você gasta deb dois a três dias por estradas de terra serras, abismos, cavernas e cachoeiras.

Compre um baseado e vá na Represa de Itupararanga e fique pescando o dia inteiro é a melhor opção com toda certeza.

Alugue uma puta e vá na Adega, a boate mais única de Ibiúna.

Ver também[editar]

  • Estado do Rio de Janeiro
v  d  e h
O Estado de São Paulo